O Centro D. Pedro tem como objetivo ser uma interface de ligação entre o Instituto Politécnico do Porto (IPP) e várias iniciativas ligadas ao Brasil. Muitas dessas iniciativas já existem, mas a ideia é “ter uma visão agregadora que vise promover a realização de estudos, projetos de inovação e empreendedorismo e organização de eventos”, explica Carlos Ramos, diretor do Centro.

O festival HARMOS é um exemplo das atividades já a decorrer em Portugal, com perspetivas de ser alargado. O evento decorre anualmente em municípios do norte de Portugal e poderá vir a ser realizado no estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, havendo já contactos nesse sentido. Segundo o diretor do projeto, nascido em São Paulo, foram já assinados cerca de 30 acordos com instituições do ensino superior do Brasil nos últimos dois anos, as quais serão “parceiras naturais para projetos no Centro”.

A mobilidade e a inserção dos estudantes no mercado de trabalho poderá vir a ser facilitada, ao serem criadas ligações com empresas brasileiras. Carlos Ramos é também vice-presidente para a área da Investigação, Inovação e Internacionalização do IPP e dá o exemplo da Engenharia Civil, uma área com “empregabilidade complicada” em Portugal e cujas oportunidades para os graduados portugueses poderão surgir.

O projeto não é exclusivo das escolas do Politécnico do Porto, podendo ser alargado a outras áreas que o IPP não lecione nos seus cursos. O centro luso-brasileiro foi formalmente criado ontem, dia 22 – data comemorativa do descobrimento do Brasil – e prevê-se que haja um “incremento significativo de projetos durante os próximos quatro anos”.

O Centro não tem instalações próprias, pelo que os projetos decorrerão nas escolas. O primeiro investimento passará pela criação de uma página online de forma a dar visibilidade e tornar o projeto legível por parte das entidades brasileiras. Nesta fase inicial os interessados poderão contactar a interface através do e-mail [email protected]