Conhecer uma cidade através dos olhos de quem vive nela. Esse é o conceito da aplicação móvel da Zarco que existe há cinco meses e está a recrutar profissionais de diversas áreas que possam ser “amigos locais” do viajante. “A melhor maneira de conhecer uma cidade é quando temos amigos que nela vivem e é este o objetivo dos nossos ‘guias’, mostrar o que não se encontra no Google”, conta ao JPN um dos fundadores do projeto, João Monteiro.

A “startup” que nasceu no Porto e está incubada no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), e em simultâneo integrada no programa Vodafone Power Lab, está em crescimento e deseja expandir-se a outras cidades portuguesas, nomeadamente Lisboa, Braga, Coimbra e Guimarães.

Há 50 vagas para Lisboa e 20 para cada uma das outras cidades e podem candidatar-se pessoas de diferentes faixas etárias e formações. “Não estamos à procura de uma guia turístico tradicional. Estamos à procura de locais com conhecimentos interessantes em áreas como arquitetura, história, música, artes, pintura, fotografia, entre outras. Pessoas com diferentes valências e conhecimentos, formadas em diferentes áreas e com uma paixão pela cidade”, explicou João Monteiro. O fundador salienta ainda, que uma formação na área é preferível, mas não obrigatória.

O processo de recrutamento, que se estende até fins de maio, tem três fases: a análise do currículo, uma entrevista individual e uma dinâmica de grupo. Se o profissional concluir estas três fases com sucesso, terá acesso à plataforma da Zarco e vai poder candidatar-se aos “tours”. O profissional ganha por cada “tour” que fizer em regime de recibos verdes. O CEO da Zarco explicou que, apesar do conceito de profissional liberal estar mal visto e das leis ainda não serem muito favoráveis para estes trabalhadores, esta é para a Zarco a melhor maneira de trabalhar. “Acreditamos que é assim que se deve trabalhar: o profissional faz as horas que quer, quando quer e a fazer o que gosta”, revela João Monteiro.

O conceito de “amigo local” da Zarco não é completamente novo e já existem profissões que se aproximam desta ideia como a de “personal concierge”, o que em português se pode traduzir por “conselheiro pessoal”, neste caso aplicado ao turismo. O “personal concierge” é o facilitador da vida do viajante, responsável por planear e dar a conhecer uma cidade de acordo com os interesses de cada um. Esta ideia está a ganhar força no Porto e no mundo.

Sobre a inovação da “startup”, João Monteiro argumenta que a questão não é a de haver ou não serviços similares aos da Zarco, a questão é como é que as pessoas chegam até esses serviços. “A nossa plataforma reúne e une pessoas locais às pessoas que viajam e procuram este tipo de experiência. É uma plataforma aglutinadora”. Reforça ainda a ideia que a empresa tem de eliminar o conceito atual de “tour” que tem obrigatoriamente que passar por determinados pontos turísticos. “Queremos que o ’tour’ seja totalmente personalizado e customizado”, explica o CEO.

Atualmente, a Zarco tem 11 funcionários e 30 “amigos locais” no Porto. Para além do João Monteiro formado em Economia, a empresa foi fundada por Francisco Sousa Otto da área do Marketing e Tiago Mendes da programação. O novo recrutamento de profissionais justifica-se pelo facto do projeto “estar a dar certo na Invicta”. As candidaturas podem ser enviadas através do site da empresa.

 

Artigo editado por Filipa Silva